Notícias de invasões e agressões nas escolas trazem insegurança para pais, alunos e professores. Busca-se uma solução para acabar e combater a violência escolar. Mas onde começa a violência? Será que podemos identificar os primeiros sinais que levam a desfechos tão terríveis que assistimos na televisão? As dificuldades são muitas, mas existem pequenas ações que podem evitar conflitos.
   O bullying está entre um dos principais fatores que desencadeia a violência. Os muros da escola por sua vez refletem o ambiente em que ela está inserida. São muitas os tipos de violências. Agressões físicas, verbais, psicológicas, são vividas tanto por parte dos professores, quanto dos alunos. O racismo, a discriminação, desigualdade e segregação acabam por tornarem todos reféns. Os efeitos da violência no desempenho escolar e no cérebro de crianças de 10 a 12 anos, foi comprovada em pesquisa desenvolvida pela PUC-RS, em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Segundo Augusto Buchweitz, coordenador da pesquisa, os resultados prévios mostraram que crianças expostas a ambientes violentos apresentam um desempenho escolar abaixo da média. O funcionamento do cérebro delas também se mostrou diferente se comparado ao das crianças que vivem num ambiente pacífico.
    A violência tem várias fases e consequências, às vezes não é reconhecida de imediato, são nos pequenos atos que vemos o descaso com que a educação é tratada. Um exemplo é a desvalorização dos professores, a falta de políticas públicas, segurança, sucateamento das escolas, entre outros.
    A perda da empatia com o outro, acaba por criar mais obstáculos dentro do próprio ambiente. Para pensarmos em combater a violência é preciso primeiro sabermos o que ocorre no cotidiano da escola. É necessário um resgate do papel social da escola, sendo ela um espaço aberto ao diálogo. Onde os alunos juntamente com professores e a comunidade escolar possam enxergar seus problemas e buscar soluções. A escola precisa se reconhecer, pois só se teme o que não se conhece. Ao investigar juntos às raízes de um problema fica mais fácil combatê-lo.
    Muito sãos os problemas a serem enfrentados e a violência nas escolas é uma realidade que precisamos combater. Favorecendo iniciativas que promovam redes de proteção dentro da escola. Estas iniciativas envolvem alunos, professores e pais ajudam na prevenção da violência e fortalecem vínculos. A união entre escola e comunidade é essencial para a construção de um ambiente mais seguro para todos.
Geana Krause

Deixe um comentário