Combate à violência contra a mulher é tema de encontro | Jornal Vitrine

Neste sábado, 28, às 13h30, no Centro de Promoção da Criança e do Adolescente do Instituto Cultural São Francisco de Assis, Estrada João de Oliveira Remião, 444, a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social e Esporte (SMDSE), por meio do Centro de Referência da Mulher (Cram) da Diretoria dos Direitos Humanos, fará palestra na 17ª turma de formação de Promotoras Legais Populares (PLPs), promovido pela ONG Themis – Gênero e Justiça e Direitos Humanos.

A representante do Cram, Ester Rodrigues, fará uma explanação sobre as políticas públicas e a forma de atuação do município no atendimento às mulheres vítimas de violência. O Centro de referência atendeu 1.064 mulheres no primeiro semestre de 2018 e prestou mais 359 informações por telefone. O trabalho é feito de forma continuada, ou seja, com acompanhamento dos casos até que estejam encerrados. Até julho 77 casos foram encerrados, 256 são os continuados e 115 são casos novos. A violência contra a mulher pode ser psicológica, física, sexual, patrimonial ou moral.

Cram – o Centro de Referência da Mulher Márcia Calixto é o espaço da política municipal de enfrentamento à violência contra mulheres, por meio de atendimento social, psicológico e jurídico. O Cram exerce o importante papel de articulador dos serviços que integram a Rede de Atendimento às mulheres em situação de vulnerabilbidade.

PLPs Promotoras Legais Populares são mulheres, líderes comunitárias, que participam do programa de formação em gênero e direitos humano da Themis. Após uma formação de 80h/aula, atuam de forma voluntária na multiplicação de conhecimentos, orientação e acompanhamento de mulheres em situação de violência. O programa está implementado em 14 municípios do Rio Grande do Sul e em 11 estados brasileiros.

Themis – Gênero, Justiça e Direitos Humanos foi criada em 1993 por um grupo de advogadas e cientistas sociais feministas com o objetivo de enfrentar a discriminação contra mulheres no sistema de justiça. Com sede em Porto Alegre, concentra sua atuação na promoção de uma rede de apoio e enfrentamento formada por diversos segmentos para compartilhar, elucidar e defender os direitos fundamentais das mulheres. 

Texto de: Maria Emilia Portella
Edição de: Fabiana Kloeckner

Deixe um comentário