Para começo de conversa precisamos estabelecer que é um direito das gestantes darem a luz assistidas por médico obstetra dentro de um maternidade regular. Este direito é uma conquista das mulheres e está sendo posto em risco por um movimento irresponsável, obscurantista que ideologiza o parto. Irresponsável por que parte da desinformação de um número significativo de mães, lhes propondo o parto em casa e sem a assistência de obstetra.       Obscurantista, por que nega a ciência e a competência técnica do médico em decidir qual procedimento adotar, especialmente em situações de urgência como a reanimação cardio respiratória de recém-nascido. Ideologiza o parto e a cesariana, tentando fazer parecer que a cesariana seria “machista”, ou praticada em detrimento dos interesses da mulher ou de seu poder livremente optar.
    Aliciamento de mulheres para fazer partos sem assistência de obstetra é um ato criminoso, deve ser investigado pelas autoridades e, muito possivelmente, já levou mulheres a óbito ou foi responsável por sequelas em crianças.          Este movimento que toma corpo no RS precisa ser desmascarado e suas verdadeiras intenções reveladas amplamente na mídia, pelos obstetras e outros médicos. A decisão por parto ou cesariana não é um mero “tanto faz” que dependeria somente da opção da mãe. Existem gestações de risco e partos de risco onde o parto normal não pode ser praticado pois significa risco aumentado para as mães e as crianças. Não pode ser um ato de decisão por quem não é obstetra por uma questão de responsabilidade técnica. Além disso existem situações de emergência em que a mãe sequer está consciente para poder fazer um opção.
    Existem vereadores em vários municípios do Brasil propondo leis que tentam engessar a atividade obstétrica com o único viés de validar este movimento que tem fundo ideológico partidário e que cujos representantes já perceberam que podem ser responsabilizados criminalmente pelo aliciamento de mulheres, pelo óbito de mulheres, por lesões e óbito de nenês.

Deputado Estadual Dr. Thiago Duarte – médico, gineco-obstetra e legista.

Deixe um comentário