Projeto dá nome de Roni Ferrari a rua da Restinga

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Tramita, na Câmara Municipal de Porto Alegre, projeto de lei de autoria do vereador João Carlos Nedel (PP) que denomina Rua Roni Angelo Ferrari o logradouro público cadastrado conhecido como Rua Sete Mil, Cento e Cinquenta e Três, localizado no Bairro Restinga.

Caso aprovado, as placas denominativas conterão, abaixo do nome do logradouro, os seguintes dizeres: “Um homem solidário e presidente da Casa da Sopa”.
Nascido em 3 de abril de 1954, na localidade de Boqueirão do Leão, à época distrito de Lajeado (RS), Ferrari se mudou para a Capital em 1976, assumindo a tesouraria da empresa de ônibus Sentinela, da qual se desligou somente em 1991, quando passou a trabalhar na área de tráfego da Restinga Transportes Coletivos. Tempos depois, naquela mesma empresa, passou a ocupar a gerência operacional.
“Em 1999, sentado à sombra de uma árvore, na Vila Restinga, Roni viu despertar seu espírito solidário ao conhecer a ‘Tia Eva’, que realizava distribuições gratuitas de alimentos a famílias carentes do bairro. O exemplo humanitário daquela senhora o deixou impressionado, a ponto de fazê-lo abraçar a causa altruísta ao lado da tia Eva”, relata Nedel. Com a morte de Eva, ocorrida em 2005, Roni assumiu a entidade e, com a ajuda de voluntários, todas as quartas-feiras, distribuiu milhares de pratos de sopa aos necessitados do bairro Restinga. Porém, lembra o vereador, o trabalho de Roni, na Casa da Sopa, não se limitava apenas a doar alimentos às quartas-feiras. Através de parcerias, a entidade também emprestava e, por vezes, doava cadeiras de rodas, muletas, camas hospitalares e outros itens de primeira necessidade. Roni também promovia cursos e oficinas que possibilitassem aos atendidos produzir suas próprias rendas.
Em reconhecimento ao seu trabalho na instituição, Roni recebeu, em 2009, o Título de Cidadão de Porto Alegre. Por duas oportunidades, concorreu a uma cadeira na Câmara Municipal da Capital. Em ambas ocasiões ficou na suplência e chegou a assumir o cargo por vários dias, em períodos de licenças dos respectivos titulares. Roni faleceu em 20 de julho de 2018, vítima de infarto, deixando a Casa da Sopa nas mãos de Marlene Sbruzzi Ferrari, viúva de Roni, e dos demais voluntários e parceiros do projeto.

Texto: Matheus Lourenço / CMPA

Edição: Carlos Scomazzon / CMPA